Pesquisar este blog

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Entrevista de Janeiro 2017.

 

Roger Rodrigues, ator e apresentador.

 
 


O ator e apresentador Roger Rodrigues, que tem sua formação profissional, no Teatro. Nos fala sobre carreira, projetos e inquietudes dessa profissão tão cheia de surpresas.
Versátil e carismático ele passeia com muito talento por todas as mídias, imprimindo sua personalidade e emprestando sua energia em seus trabalhos, no Cinema, Teatro, TV, Publicidade e Internet.
Abaixo um bom patê papo com ele:




Ricardo Netto - Quando você decidiu iniciar na carreira artística, sofreu algum tipo resistência por parte de seus pais?

 Roger Rodrigues - Então pra quem não sabe,  além de eu ser ator, eu também sou publicitário, minha primeira formação é como publicitário. E eu tinha uma vida bem estável assim. Bem boa financeiramente. Só que eu sempre quis ser ator, sabe! Eu ia assistir a uma peça, eu me imaginava fazendo. Eu ia ver um filme me imaginava lá, mesmo as novelas... E ai o que aconteceu. Quando eu cheguei mais ou menos aos vinte e nove anos, que eu trabalhava numa empresa ainda, eu resolvi fazer um curso de teatro e ai foi amor a primeira vista. Do jeito que eu entrei eu me envolvi e não consegui sair. E pros meus pais foi bem difícil sim, por que no começo eles não queriam. Não achavam bacana eu largar uma carreira que eu já tinha consolidada pra uma carreira tão instável que é a carreira de ser ator. Mas assim, como eles viam que era o que realmente me fazia feliz, eles tiveram que me apoiar e hoje tá tudo bem. Mas no começo foi bem difícil. Por isso normalmente o que eu falo pras pessoas que estão partindo para essa carreira. É, eu sou um ator novo ainda, né. Apesar de não ser novo de idade, mas novo de carreira, eu tenho sete anos de profissão só. É sempre, tentar alicerçar a carreira de ator com alguma outra carreira. Pra você ter uma grana, ter um dinheiro pra poder se sustentar. É normalmente o conselho que eu dou pras pessoas.

Ricardo Netto - O mercado para o ator abrange várias áreas, você transita com muito talento pelo mercado publicitário, TV, cinema, teatro e internet. Qual desses veículos de comunicação te atrai mais?

Roger Rodrigues - Eu gosto de trabalhar em todos os veículos. Eu acho que cada veículo tem uma linguagem diferente e pode ser um trabalho espetacular para o ator. Minha formação é teatral. Eu me formei no Célia Helena. Eu amo fazer teatro. Teatro é estudo, é investigação, é trabalho de carpintaria, é você estudar muito, se preparar, levar propostas novas, é tudo muito vivo a todo o momento. Você fica em cartaz, sei lá! Eu já fiquei duas temporadas, mais de seis meses em cartaz.  Cada dia é um dia diferente e você tem a resposta imediata do público. Cinema, cinema é aquele trabalho lindo de pesquisa de envolvimento, é aquela câmera, que fica gigante tudo o que você faz, então você tem que ser tudo muito sutil. E você trabalha os planos mais fechados então você tem que ter uma interpretação muito no olhar, nessas coisas. Que esbarra na televisão, porque hoje em dia fazer televisão, fazer novela, fazer publicidade, eles estão produzindo como se fosse cinema. Então é assim, é um mundo de gente envolvida, você tem que render muito rápido, tem muito teste, você tem que ser um ator com uma prontidão muito grande. E você tem um bom retorno financeiro, né. Muitas vezes o que o teatro não te dá. Internet é a mesma coisa, é a nova linguagem, na minha opinião a internet cada vez mais está engolindo a televisão. Você pode ver que todas as emissoras estão se reinventando e inventando plataformas em internet, globoplay e todas as outras emissoras. Então é você se adequar a isso. Eu mesmo tenho o meu Canal no Youtube, que é: Roger Rodrigues Ator. Onde além de eu mostrar meu trabalho como ator, eu também mostro meu trabalho como apresentador. Que é um trabalho que me interessa bastante também. Eu gosto bastante. De conversar com as pessoas, descobrir como é a vida delas, o que é que elas fazem, o que é interessante, gosto muito da troca com o outro. E a troca está presente em todos os veículos.
 
 
 
Ricardo Netto - Na sua opinião. Porque a TV ainda é um mercado tão fechado?

 Roger Rodrigues - Ótima pergunta essa que você fez, por que é o seguinte, é um mercado que as pessoas ainda não entendem por que é tão difícil entrar na televisão. É, não existe um caminho, tipo faça isso... O que eu fiz foi o seguinte, eu entrei em contato...  Eu fiz o meu registro em todas as emissoras, nas melhores agências que têm contato com produção de elenco. Mesmo assim acho bem difícil. Por que quem escolhe o elenco, é diretor de núcleo e autor, então a gente tem que estar sempre dando um jeito de mostrar o nosso trabalho pra eles, e eu acho que é nessa hora que a internet ajuda. Por isso que é muito importante hoje a gente produzir material. Por exemplo, hoje com um Iphone ou um Smartphone bacana você consegue produzir bons materiais, e você jogando isso na rede, é um jeito deles estarem te vendo.

Ricardo Netto - Como funcionam os testes para campanhas publicitárias? Quais as “armas” que um ator tem que ter para um diferencial na hora de concorrer com um colega?

Roger Rodrigues - Vamos lá, quais as “armas” de publicidade. Bom, publicidade é um mercado que eu faço bastante, quem me acompanha aí, pode ver que eu já participei de várias campanhas publicitárias. Cara! É uma loucura, por que muito é perfil, então tipo, você ser exatamente o que eles estão procurando. E é o que eu respondi lá na pergunta anterior lá em cima, é uma prontidão. Publicidade é assim, às vezes te chamam pra um teste agora, você tem que ir pra produtora, pra onde vai ser o teste, às vezes te dão o texto na hora, é você ler aquilo, entender, entrar no set com o pessoal enlouquecido e ai você render o máximo possível. É muito importante ter um ouvido bom na hora do teste pra você entender o que o diretor quer. Por que ele já tá “brifado” pelo cliente, pela produtora, do que ele procura. Então o quanto mais você consegue mostrar isso mais rápido, mais você tem chance. E ai você fica editado, né. Aí sei lá eles editam cinco pessoas. Aí esses cinco é que vão para o cliente. Aí eu brinco que um pouquinho de sorte e o dedinho de Deus, ajudam muito nessa hora! Mas assim, as conversas que eu tive com clientes em trabalhos que eu peguei, é bem isso, eles olham pra sua cara e é exatamente o que eles estavam procurando. Por exemplo, eu faço muito jovem pai, esse tipo de coisa. Eles acham que eu tenho bem esse perfil. Então acho que é muito isso, é porque tem excelentes atores de teatro de cinema que não conseguem pegar publicidade. Eu acho que é naquela hora, do teste, naquele “actim” você tem uma empatia e conseguir exatamente dar o recado e isso ajuda muito. E claro como eu falei anteriormente, sorte e o dedinho de Deus, facilitam bastante.

 
 
 
Ricardo Netto - Qual a diferença entre as personagens do longa (Bento da caridade), e o da web série (Os suburbanos, II Temporada).

Roger Rodrigues - Bom, a diferença de você fazer um longa e um seriado, eu acho que é a produção. Por exemplo, O Bento da caridade que eu fiz, eu tive que fazer um workshop, quando eu fui escolhido pra fazer o personagem, eu fui fazer um workshop, o elenco inteiro foi fazer um workshop na cidade lá em Itú. Como se tratava da história de um padre que tinha hanseníase a gente foi visitar um lugar de leprosos. Como era um personagem que existiu eu quis ver quem era esse bispo, o Dom Duarte que eu fiz. Como ele viveu, ou o que ele pensava, tem toda uma preparação muito grande, com cuidado, com uma preocupação e um tempo maior. Já quando eu fui fazer Os Suburbanos, quando o Sabino me convidou, foi muito rápido. “Roger, amanhã vem pro Rio, o personagem é esse...” Eu recebi o texto a noite, depois na madrugada teve um adendo, recebi e fui gravar de manhã. Ele me explicou rapidinho o que ele queria. Mandou eu fazer, que era um personagem sério, mas que eu tinha que ser divertido e fui lá e gravei. É isso, acho que pelo jeito que eu falei, acho que você já entendeu qual é a diferença dos processos. E os dois são uma delicia de fazer, é muito legal, você parar pesquisar, mas é muito legal também você ter essa prontidão de criar um personagem e passar sua verdade ali. Claro que com o tempo ele vai maturando, vai criando outras formas, que até muitas pessoas falam, né. Que depois de um tempo o personagem vira do ator, não mais do autor. Por que o autor está preocupado com um monte de personagens e o ator só tá preocupado com aquele então o personagem fica muito mais dele do que do autor. E ai ele acontece, acho que nas duas linguagens.
 





Ricardo Netto - Você tinha um quadro no programa Atual Idade TV, da apresentadora Amanda Pereira. Quais são as verdadeiras inquietudes de Roger Inquieto?

Roger Rodrigues - Sobre o programa Atual Idade, infelizmente o programa acabou o ano passado, devido essa crise, a emissora achou por melhor encerrar. E eu amei fazer, foi a primeira experiência como apresentador e tendo pauta pra fazer toda semana, eu adora apresentar, como eu gosto de atuar. Todo mundo me pergunta, você gosta mais de fazer o que? Atuar ou apresentar? Eu amo os dois, entendeu. Eu adorava apresentar, tanto fazer matéria externa, quanto estar lá no estúdio com a Amanda Pereira. É muito legal. É muito vivo, existe uma prontidão, a gente tinha uma reunião de pauta toda semana pra definir o tema. Eu fazia sempre a coluna do Roger Inquieto, que foi um personagem que eu criei, então eu queria saber o que inquietava na mente das mulheres com relação aos homens, e aí descobri um  monte de coisas bacanas. Descobri por exemplo o que as mulheres acham se relação virtual é traição, ou não é traição. Foi um tema muito polêmico. As mulheres com essa coisa do empoderamento, o que elas podem bancar numa relação. Se de repente bancar um motel não é demais, se pra elas não tinha problema nenhum. Foi muito interessante é muito legal ter esse feedback delas. Por que eu tinha uma coluna também no Blog dela (da Amanda), então as pessoas me mandavam, escreviam, comentavam. É muito legal essa troca e é muito estimulante. Então assim, foi um projeto muito bacana que eu gostaria muito de retomar, não sei se com a Atualidade TV ou de repente com o Canal mesmo, que é um projeto que eu tenho pra de repente estar fazendo esse ano.

Ricardo Netto - Qual personagem da literatura clássica você gostaria de interpretar?

Roger Rodrigues - Um personagem clássico que se Deus quiser eu vou fazer, é o Calígula. A última montagem que eu vi foi do Thiago Lacerda fazendo, do Gabriel Vilela, eu achei fantástico. É um personagem extremamente multifacetário, intrigante e inquieto. Então, com certeza é um personagem que eu gostaria de fazer.
 
 
 
 

Ricardo Netto - Como eram escolhidas as entrevista no quadro e qual tipo de personalidade você gosta de entrevistar?

Roger Rodrigues - Então, as entrevistas eu opinava muito sobre o tema, mas sobre os convidados não. Eu tinha que muitas vezes interagir com os convidados que interessavam pra eles, pro programa, Mas assim, talvez pra esse projeto novo que eu tenho pra 2017, eu vou poder trazer. E assim, convidado bom pra mim, é convidado polêmico e pessoas que tenham uma característica muito forte. Isso que eu acho que é convidado bom, eu acho que pessoa politicamente correta e chover no molhado, acho meio boring, eu acho muito chato. Eu acho legal a gente pegar uma opinião de uma pessoa que não tem há ver com a gente, as vezes você pega uma pessoa muito famosa, ela tem um compromisso com a imagem dela, com os valores dela. Então ela não vai ser assim cem por cento, ai eu acho que não é legal. Então de repente é mais legal pegar uma pessoa que renda mais, no sentido de vir com algo chocante, do que pegar alguém que seja muito politicamente correta. Eu pelo menos prefiro pessoas de opinião diferente.

 

Ricardo Netto - Quais são os projetos e anseios para 2017?

Roger Rodrigues - Meus projetos para 2017 são esses, quero ver se faço alguma novela, não tenho nada fechado ainda, pretendo voltar ao teatro, também eu já to analisando alguns projetos, eu quero incrementar meu Canal no Youtube pra poder voltar com essa coisa de entrevistas, visitar lugares. Uma coisa que eu tenho feito bastante, quem tiver no meu canal vai ver, eu tenho desenvolvido muitos parceiros, então muitas marcas que se interessam por mim eu vou lá, eu faço o serviço, seja de pilates, seja de depilação, vou lá faço o serviço e conto pro pessoal e é legal que vira um material para a empresa, um material institucional e eu to de alguma forma divulgando meu trabalho.

 
 
 
 
Ricardo Netto - Um livro

Roger Rodrigues - Cartas a um jovem poeta, do Rainer Maria Rilke.

 Ricardo Netto - Uma música

 Roger Rodrigues - Amor de Índio,  do Beto Guedes.

 Ricardo Netto - Uma personalidade

 Roger Rodrigues - Jim Carrey e Antonio Fagundes

 Ricardo Netto - Família é?

Roger Rodrigues - Valores, o que você leva pra vida.

 Ricardo Netto - Sucesso é?

 Roger Rodrigues - O resultado de um bom trabalho.

Ricardo Netto - Fama é?

Roger Rodrigues - Você  tem que aproveitar disso e ser responsável pelo que você multiplica. Por exemplo, a Ivete, que é uma pessoa unanime no Brasil, ela falou outro dia uma coisa muito legal, com relação a preconceito: “Eu tenho como me posicionar por que eu tenho uma opinião sobre isso, é um absurdo qualquer forma de preconceito. Mas por exemplo: Com política, é muito difícil a gente se posicionar de alguma forma, por que é um assunto que a gente desconhece”. E ela tem uma responsabilidade tremenda pela a quantidade de seguidores que ela tem e pelo monte de coisas que ela faz. Então a fama eu acho que está muito ligada a essa responsabilidade.

 

Ricardo Netto - Roger Rodrigues em uma frase:

Roger Rodrigues -  “A força dos meus sonhos é tão forte, que as  minhas mãos nunca ficam vazias”.
 
 

Sites e redes sociais:

 
Canal no Youtube:
Roger Rodrigues Ator
 
Instagram:
@rogerrodriguesoficial
 
 
 
 
Essa entrevista tem o apoio cultural de Real Vita Produtos Naturais.


https://www.facebook.com/profile.php?id=100011777351488&fref=ts

 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário