quinta-feira, 23 de março de 2017

Depois do Paraíso - Episódio III


A morte de Kabush


 

 
 
Episódio escrito por Ricardo Netto.
 
Imagem da internet.
 
 
 
 
Depois de se aventurar na cidade de Uaset, a serpente decidiu ficar mais um período no deserto, alimentando sua alma e seu corpo com o sangue das caravanas de beduínos que cruzavam aquelas areias quentes de dia e frias à noite.
Deixou o tempo passar vivendo em cavernas e tornou-se uma lenda de um demônio que atacava as caravanas. Ao decidir retornar para a civilização tomou o caminho da capital, a cidade  do Cairo, que nessa época já havia se tornado a província mais próspera do império e por consequência, sua capital.
O quarto era simples, mais para passar algumas noites até se estabilizar de vez, estava de bom tamanho. Apesar de possuir ouro, prata e bronze suficientes para comprar aquele pardieiro, não queria naquele momento chamar a atenção para si. Era uma forasteira e ostentar fortuna, seria um erro. Deitou-se na cama velha e cobriu-se com aquelas peles de carneiro para aplacar o frio. Estava cansada da viajem que fizera até ali. O coração e os pensamentos estavam tomados de um sentimento estranho. Apesar de possuir o dom da vida eterna sentia-se a pior criatura que vagava pela Terra. Era a única que não tinha semelhantes, precisava da alma humana para manter-se viva e teria que fugir para todo o sempre. Os Elohins tinham castigado ela com maior peso. Adormeceu por fim.
Pela manhã o sol parecia querer deitar-se com ela na cama, obrigando-a a levantar-se. Por um momento sua mente foi tomada por uma imagem que havia ficado em um passado remoto. A frondosa árvore de todos os conhecimentos estava novamente diante de seus olhos. Respirou fundo e piscou os olhos para dissipar aquilo de sua cabeça. Olhou ao redor e se deu conta de que estava naquele quarto pobre de uma pensão qualquer na periferia do Cairo. Sentiu uma espécie de alívio. Não gostava de relembrar o Édem, aquele lugar que a princípio fora lhe dado como presente dos deuses tornara-se símbolo maior de sua maldição.
Já na rua, misturou-se com a ferveção do povo, andou sem um destino certo, com o sentido apenas de conhecer aquele lugar fascinante. Sua atenção foi atraída na direção de um circulo de pessoas animadas que batiam palmas para alguma atração que estava no centro. Embrenhou-se discretamente até conseguir ter uma visão do que estava acontecendo ali. Dançarinas que remetiam movimentos sinuosos de serpentes em suas cinturas levaram suas lembranças para a cidade de Uaset, onde estivera a muito tempo atrás. Lembrou-se do servo daquela taberna que deixara sua alma intrigada por ter sido o único que conseguira resistir a seus encantos sedutores. Nem na noite seguinte conseguira levá-lo para a cama como imaginara.
“Um imbecil”. – Pensou.
Voltou sua concentração para o que estava ocorrendo diante de seus olhos naquele momento. As duas dançarinas eram lindas, mas não mais belas do que ela. Apesar de não estar usando as roupas adequadas, lançou-se no centro do círculo e começou a dançar também. Seus movimentos eram milimetricamente precisos e roubou a atenção para si.
Um mercador rico de porte robusto e pele de ébano a encarou nos olhos. Ela parou a dança e ficou de frente para ele, sabia como ninguém jogar com a sedução, sua maior arma.
Parecia que o mundo havia parado para os dois e que estavam sozinhos ali bem no centro daquele turbilhão de pessoas. Ele a segurou pelo braço com força e com carinho ao mesmo tempo.
- Venha comigo. – Disse. – Tirando-a do centro da roda e levando-a consigo até onde estavam seus servos. Astuta como sempre, se deixou levar, para ver até onde aquela aventura ia dar.  Esse jogo fazia o sangue dela ferver. Entraram no andor feito de Cedro do Líbano e coberto com linho fino. Os escravos içaram o veículo nas costas e saíram no meio da multidão.
 
 
 
Imagem da internet.
 
 
 
Era uma bela casa no centro da capital, o dono sem dúvida possuía muito ouro. Ela aguardava o homem, sentada na bela cama da alcova. Fora roubada da rua para ser sua mulher. O poder de atração dela sobre os homens fazia com que eles tivessem atitudes extremas, era sua arma de sobrevivência. Estava coberta apenas com um fino tule, mostrando todas as curvas de seu belo corpo, os cabelos vermelhos estavam soltos, cobrindo os seios propositalmente. A garganta ardia com sede de sangue, não resistiria mais uma vez quando o cheiro de testosterona invadissem suas narinas de uma vez por todas.
Kabush entrou no quarto embriagado pelo cheiro daquela fêmea, nunca tomara para si uma mulher de forma tão impensada, quanto havia feito com Lilith. Mas quando a enxergou no centro daquele círculo dançando daquela forma, não resistiu. Apossou-se dela e agora estavam um diante do outro. Aspirou para dentro dos pulmões todo o odor daquele ambiente e a excitação foi inevitável. Os olhos da serpente brilharam observando aquela presa, leves tons de vermelho trocaram a cor de suas íris. O homem estava tão poderosamente seduzido que nem se deu conta do perigo. Por um impulso, trouxera para dentro de sua casa a própria filha do Demônio.
Ele se jogou sobre a cama e ela se posicionou sobre o corpo dele, os caninos se mostraram presentes acentuando ainda mais sua sede. Rápida e precisa como sempre ela sugou o sangue do infeliz até a última gota. Kabush soltou um gemido intenso de prazer e depois caiu exausto, nem percebeu que sua jugular havia sido invadida.
Lilith olhava o horizonte pela janela do quarto, o homem já estava adormecido fazia uma hora. Tinha apenas poucos minutos para decepar sua cabeça antes que ele se tornasse semelhante a ela. Pela primeira vez cogitara a possibilidade de deixar sua vítima viva.
Não posso. – Falou para si mesma.
Andou até a entrada do quarto, onde duas espadas ficavam sobre a porta, uma de cada lado, servindo de adornos. Pegou uma delas e com apenas um golpe decepou a cabeça do homem. Não podia deixar sobrevivente igual a ela no mundo. Isso seria um privilégio que daria para quem realmente merecesse. Haveria a hora o local e as pessoas certas para aquele feito.
Com o desaparecimento repentino de Kabush, a serpente tomou posse daquela e de todas as propriedades pertencentes ao mercador, incluindo seus escravos. Aquela casa seria um bom lugar para ela estabelecer moradia ali no Egito por um longo tempo. Começou então a fazer apresentações com suas danças, chegando sua fama até o grande rei do Império, o Faraó.
Já fazia um tempo que ele havia saído de Uaset, no encalço da serpente, desde aquele dia em que a tinha encontrado na taberna de Abnar e que ela tentou seduzi-lo. Não foi daquela vez que conseguira cravar um punhal no peito dela, mas com certeza os rumores e os ventos que trouxeram seus pés até o Cairo, não foram em vão. Lilith nem poderia imaginar em seus piores pesadelos que estava sendo perseguida por um “guardião”. O servo de olhar tímido era na verdade um anjo exterminador.




Continua...



Ricardo Netto é administrador desse Blog, escritor do livro: Os senhores das sombras - O legado de Lilith.
Idealizador e revisor dessa Websérie: Depois do Paraíso.
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal.



 


 

quinta-feira, 16 de março de 2017

Falando sobre letras I


Caiara Biondo.   




Imagem da internet




Ricardo Netto - Fale um pouco sobre você, suas origens, seus projetos passados e futuros.
 
 Cainara Biondo - Então, sou natural da cidade de Blumenau onde passei minha vida até conhecer meu marido e vir morar aqui no RJ. Já faz 10 anos que estou aqui. Sempre adorei escrever, passava as madrugadas escrevendo e viajando em minhas histórias. Mas só depois que o conheci que passei a conhecer o mundo virtual e as oportunidades de comunicação. As redes sociais ajudaram muito na divulgação do meu trabalho, abrindo portas para novas amizades e projetos. Participei de algumas antologias entre elas a Poesiatododia, tendo 3 textos que enviei escolhido dentre mais de 1000 poemas enviados. Foi uma experiência e tanto. Mas foi no Wattpad, que encontrei a força que buscava, meus leitores foram fundamentais para que eu enfim, tivesse a coragem de terminar meu livro Segredos Mortais. Após um ano, consegui atingir 50 mil leitores e mais de mil seguidores. Estou muito feliz e realizada com os amigos que tenho conquistado através de um sonho que pensei que nunca se tornaria real. Hoje estou trabalhando em um projeto com outros autores. “Literatvs” é um projeto literário, onde buscamos unir escritores lusófonos, no intuito de ajuda-los a ter seus trabalhos reconhecidos e unir forçar para que juntos aprendermos cada dia mais. Acreditamos que juntos podemos além de nos apoiar uns aos outros, fazer com que o mundo valorize o escritor nacional. Queremos que nossos livros sejam conhecidos pelo seu valor e não apenas como mais um livro comercial. Entre filhos, casa e família, escrevo entre um intervalo e outro e nas madrugadas. Não consigo imaginar minha vida sem escrever. Quando estou escrevendo, é como se eu me tele transportasse para outro universo. Onde somente eu sou capaz de criar as regras e quebra-las.
 
Ricardo Netto - Como surgiu a ideia de escrever, Segredos Mortais?
 
 Cainara Biondo - Sempre adorei vampiros, anjos, lobisomens, bruxas. Amo filmes e seriados de ficção em geral. Um dia à noite em casa, buscando na TV algum filme interessante, coloquei Crepúsculo sem querer. Não sabia do que era, mas assisti e gostei. Fazia algum tempo que estava sem escrever, enfrentando um bloqueio mental. Mesmo tendo gostado do filme, havia algumas coisas que não achei muito legal, como vampiro não ter dentes e ainda brilhar. Lembrei-me daqueles desenhos que brilham no escuro. (kkkk) Enfim. Crepúsculo reacendeu em mim a vontade de voltar a escrever, ponto este, que fez eu coloca-lo entre os meu favoritos. Sendo que eu queria escrever algo inédito, diferente, sem perder a origem dos vampiros. Queria dentes grandes, a sedução que os vampiros têm, mas não queria escrever mais um clichê. Então misturei a ficção com a vida real. Já que nossa realidade de hoje está tão cruel e desumana, não foi tão difícil adaptar a realidade junto com uma ficção. E foi assim que nasceu Segredos Mortais.





Imagem da internet.






Ricardo Netto - Qual a personagem de “Segredos Mortais”, que foi a mais difícil de criar?
 
 Cainara Biondo - Olha, é meio complicado. Confesso que tenho certa dificuldade em criar personagens, mas á Lara acho que foi a mais difícil, já que ela em si, é confusa. Como ela vive em conflito consigo mesma, fica difícil saber como ela reagirá entre um desafio e outro. Mas aos poucos vou dando vida a ela e aos outros personagens.
 
 Ricardo Netto - Oque é mais difícil, começar ou terminar uma estória?
 
 Cainara Biondo - Acho que são os dois. Sendo que o meio é que mais me assusta. Acho que é a pior parte. Porque é onde tudo começa a ser esclarecido e onde novos mistérios e desafios aparecem. Quanto mais se aproxima do final, mais conflitos vão surgindo. Mas gosto de lidar com desafios, então deixo me levar pela intuição e sigo em frente.
 
Ricardo Netto - Você tem outras obras escritas, quais?
 
Cainara Biondo - Sim. Na verdade meu primeiro livro foi Sentimentos do Coração. É um livro que eu mesma criei e publiquei independente no site da Agbook. Uma livraria para autores que publicam seu livro de forma gratuita. Nele está uma grande parte dos meus primeiros poemas, poesias e frases que escrevi quando era adolescente. Depois, quando conheci o Wattpad, fui publicando os capítulos de Segredos Mortais. Vendo a boa aceitação dos leitores, me arrisquei a escrever outro livro de uma ideia relâmpago que surgiu, que é Destino Sombrio, que já conta com 8 mil leitores, sendo que este, tem apenas 9 capítulos. Pretendo termina-lo e publica-lo ainda este ano. Sendo que a continuação de Segredos Mortais também já esta em andamento. Então tenho muito trabalho pela frente. Destino Sombrio é diferente de segredos Mortais, é mais voltado para o sobrenatural, sendo que terá alguns fatos e experiências reais embutidas na história. O que acredito deixar os leitores ainda mais apaixonados pelo livro. Tem mais alguns em minha cabeça, mas como sou muito ansiosa, acabo às vezes por me perder entre as milhares ideias que tenho. Mas aos poucos tudo vai se encaixando.
 
 Ricardo Netto - Quais as maiores dificuldades de um escritor brasileiro?
 
Cainara Biondo - No meu ponto de vista além da competição e rivalidade, é o comercialismo e individualismo das editoras. No Brasil, um autor americano, ou seja internacional, tem uma visão de perfeição, enquanto os brasileiros são vistos como impotentes e fracos. Essa é uma visão que o próprio Brasil criou, por valorizar demais os autores internacionais pelo valor financeiro que eles adquirem tendo eles em suas livrarias. Sendo que em minha opinião, não falo só por mim. Mas, tenho visto, e conhecido autores que tenho muito mais admiração do que alguns internacionais que conheço. A diferença que vejo, é que a única coisa que separa um Best Seller Internacional de um nacional é apenas investimento. Os autores de fora têm um apoio e uma valorização que nós brasileiros não temos. Falta união entre os autores, falta humildade. Se todos se unissem pelo mesmo propósito, seríamos capazes de alcançar a mesma visão, reconhecimento e apoio que os autores internacionais têm. Mas enquanto estiver cada um por si. Enfrentaremos um anonimato injusto. E editoras que só querem se beneficiar nas custas do autor.
 
Ricardo Netto - Qual livro já publicado você gostaria de ter escrito? Por que?
 
Cainara Biondo - Olha, sem dúvidas seria Sussurro! Foi à série que mais mexeu com meus sentimentos. Devorei um atrás do outro, louca para saber mais sobre a linda história entre Nora e Patch. Sou louca por histórias de anjos e vampiros. E esta sem sombra de dúvidas para mim foi a melhor. Um dia espero poder criar uma série tão fantástica como Sussurro. Quem sabe Segredos Mortais me traga uma alegria dessas. Qualidade ele tem. Pelo mesmo meus leitores que amo, dizem isso, e quem sou eu para dizer que eles estão errados. (KKK). A forma Como a Becca escreve, me cativa muito. É simples, clara, porém direta. Sou super fã.
 
Ricardo Netto - Quem são seus autores favoritos?
 
Cainara Biondo - Tenho alguns. A primeira óbvio é a Becca. Seguindo de.
Nacionais. André Viannco, Geraldo Medeiros JR, Augusto Cury, Ricardo Netto ( Você), Ruth Arnaldo, Mônica Castro, entre outros.
Internacionais. Além de Becca. São, Dan Brow, Alyson Noel, Stephenie Meyer,Cassandra Clare e J.K Rolling.
 
Ricardo Netto - Selecione aqui os cinco melhores livros que você já leu:
 
Cainara Biondo - Sussurro, Inferno, Para Sempre, Sentindo na Própria Pele e Nunca Desista de Seus Sonhos.
 
 Ricardo Netto - Cainara Biondo por Cainara Biondo:
 
Cainara Biondo - Difícil me definir. Digamos que sou bem complexa, teimosa e ansiosa ao extremo. Se sonhar demais for defeito estou perdida no pecado. Mas, não consigo viver sem sonhar, sem acreditar que o sucesso me aguarda. Que tudo é apenas uma questão de tempo e reconhecimento. Sou uma pessoa que vive em função de ajudar a quem meu coração diz, Ajude! Minha maior alegria é poder fazer as pessoas felizes, sendo minha família e amigos, ou quem cruza meu caminho que cativa meu coração. Mesmo sem poder fazer muito por eles, o pouco que faço, para alguns já é muito. E é isso que me motiva a levantar todas as manhã e tentar fazer sempre mais, por mim e por eles. Mesmo diante das dificuldades, não consigo deixar de sorrir e nem de fazer as pessoas sorrirem. Separo a dor de minha vida, e deixo o destino livre para comandar meus dias. Uns dizem que sou palhaça, outros dizem, que sou louca. Eu digo... Sou os dois! E não ousem me contrariar! (kkkk)
 
Ricardo Netto - Se você conseguisse resumir “Segredos Mortais” em uma única palavra, qual seria?
 
Cainara Biondo - Surpreendente!
 
Ricardo Netto - Você é muito ativa nas redes sociais, deixe aqui um recado para os seus leitores e fãs?
 
Cainara Biondo - Essa é uma das partes onde encontro a maior dificuldade! Jamais serei capaz de expressar em palavras todo meu agradecimento a eles. Eles são a minha força, minha inspiração. Sem o carinho, atenção, conselho, incentivo, nada disso teria acontecido. Meus escritos jamais sairiam da gaveta, ou mesmo do meu computador. Eles implantaram em mim, a força e coragem que eu nunca tive. Meu marido, meus filhos e minha tia de Santa Catarina, também foram fundamentais nesse processo. Quando escrevemos entramos em uma espécie de transe, onde nos afastamos do mundo real. E agradeço a minha família por ter tido paciência. Tudo que fiz e faço é para eles, quero deixar uma herança boa para que num futuro eles possam se orgulhar de mim. Hoje sinto que minha família aumentou e muito, porque meus fãs e leitores passaram a fazer parte dela. E espero poder ainda dar muito orgulho a eles. Hoje sou muito feliz e agradecida por ter amigos que posso contar em todas as situações. E falo com orgulho que meus leitores e fãs são os melhores do mundo!



Imagem da internet.






Ricardo Netto - Coloque aqui suas plataformas, sites e redes sociais:
 
 
 
 
Ricardo Netto - Suas ultimas colocações sobre “Segredos Mortais”:
 
Cainara Biondo - Eu espero que Segredos Mortais continue encantando os leitores. E espero que as citações que coloquei sobre nosso mundo, abra a mente das pessoas, e as façam ver que o mundo dos livros não é muito diferente do nosso. Hoje em dia, o que vivemos o que vemos nos jornais, revistas, esta ultrapassando o terror das histórias que contam os livros de ficção. Portanto, mergulhem no mundo de Lara, e acompanhem sua jornada pelo mundo sombrio e cheio de surpresas que Segredos Mortais, revelará em sua trama. Um abraço a todos, e sejam bem vindos em minhas redes sociais, será um prazer aumentar minha família com mais e mais leitores que gostam e admiram meu trabalho.
 

segunda-feira, 6 de março de 2017

Cara a cara com Virgínia Gaia


 

Virgínia Gaia

 
 
 
 
 


Arquivo pessoal.
 
 
 
 
 
Ricardo Netto - Quem é Virgínia Gaia?
Virgínia Gaia - Escorpiana de Ascendente Capricórnio, eu sou astróloga e taróloga, além de ser a primeira sexóloga com abordagem holística no Brasil. Ministro cursos e palestras sobre os temas com os quais trabalho, além de manter um quadro semanal do programa A Tarde é Show, da apresentadora Nani Venâncio, que vai ao ar pela Rede Brasil de Televisão, com alcance em todo o território nacional.
Formada em Comunicação e pós-graduada em Estratégia Gerencial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), decidi assumir publicamente a profissão no segmento esotérico depois de uma carreira bem-sucedida no mundo corporativo. Não poderia ter tomado uma decisão melhor: hoje, conheço o verdadeiro significado da expressão “realização profissional”. Amo o meu trabalho!
Ricardo Netto - Com quantos anos de idade você descobriu essa conexão com o mundo espiritual?
Virgínia Gaia - Comecei a ler Baralho Cigano aos 14 anos. A partir daí, um novo universo de conhecimento se abriu diante de mim. Pouco mais de um ano depois, quando eu tinha por volta de uns 15 ou 16 anos, tomei contato com o Tarô e comecei a estudar o amplo espectro das Ciências Herméticas para entender as correspondências simbólicas presentes nos arcanos desse oráculo tão fascinante. Foi daí que nasceu o interesse pela Astrologia, pelo Ocultismo e por diferentes práticas mágicas, dentre elas e em especial, a Magia Sexual e o Tantra.  
Ricardo Netto - Na sua opinião, qualquer pessoa pode desenvolver habilidades exotéricas ou isso é um dom que é reservado para pessoas escolhidas?
Virgínia Gaia - Como em qualquer área de interesse ou atuação, só o talento não é suficiente para garantir a evolução. Engana-se quem acha que o profissional do ramo esotérico é alguém que nasceu pronto. São anos de estudo, constante atualização e muito esforço. E, sim, acredito que dentro de todo ser humano existe um mago para ser desenvolvido. Sempre falo para os meus alunos e coachees: a intuição pode – e deve – ser treinada, assim como qualquer habilidade psíquica. A magia está justamente na arte de estabelecer uma conversa com o esse sagrado interior que está presente em todos os indivíduos.
Ricardo Netto - Das ciências exotéricas que você estudou qual seria aquela que mais se adéqua à sua energia?
Virgínia Gaia - Na adolescência, tive bastante contato com a Bruxaria Tradicional e Wicca, chegando até a integrar um coven com outras mulheres bem mais velhas e experientes do que eu. Depois disso, mergulhei de cabeça no Ocultismo de forma solitária, porém, ainda de maneira mais teórica do que prática. Mais tarde, já adulta e cada vez mais interessada pelo Tantra, fui iniciada no Budismo Tântrico (Vajrayana), o que me abriu um mundo de possibilidades e adicionou algumas práticas meditativas à rotina que mantenho até hoje e que costumo ensinar nos meus cursos e atendimentos. Foi então que, querendo me aprofundar mais nos conhecimentos e práticas do Ocultismo, passei por ordens iniciáticas. Nessa época, também me aprofundei em Magia Sexual. Depois, decidi seguir o meu caminho de forma solitária. Hoje, grata por tudo que aprendi, aplico um conjunto de práticas que mistura elementos de toda essa gama variada de conhecimentos, dentro da orientação do que se chama de Vama Marga – ou Caminho da Mão Esquerda - do Tantra.
Isso tudo, claro, com a constante troca com outros colegas e amigos do meio esotérico. Tenho profunda admiração pelo Candomblé, pela Umbanda, pelo paganismo nórdico e outras correntes da magia. Gosto de manter contato com diferentes vertentes e escolas, pois adoro a condição de eterna aprendiz.
Ricardo Netto - Como seu espírito recebe uma mensagem quando você está lendo o tarô para alguém?
Virgínia Gaia - Todo ato intencional é um ato de magia. Então, embora seja difícil de ser explicada pela ciência, creio que a fenomenologia que envolve o uso do Tarô como oráculo está mais relacionada à lei da sincronicidade, como postulou Carl Gustav Jung, em um processo mágico que não necessariamente envolve espíritos. É, magicamente, uma questão de direcionamento de intenções. Trata-se do encontro de duas vontades: a do consulente, em saber, e a do tarólogo, em responder.
Ricardo Netto - A energia da pessoa que você está atendendo, interfere na leitura das cartas para ela ou não?
Virgínia Gaia - Não há duas pessoas iguais no mundo e, por isso, cada leitura é única. Eu procuro trabalhar a minha concentração e a minha energia para que eu não sofra nenhuma influência externa à consulta. Faço mentalmente, antes e depois de todos os atendimentos, um banimento que permite isolar o ambiente dessas interferências.      
Ricardo Netto - Em qual situação você sente algum tipo de bloqueio ao atender uma pessoa?
Virgínia Gaia - O tarólogo bem preparado não passa por bloqueios desse tipo. Por isso, sempre falo aos meus alunos que querem ser tarólogos: treinem e usem a intuição, mas nunca deixem de estudar e aplicar a técnica. O domínio da técnica é o aspecto que mais contribui para a clareza da leitura e a capacidade de oferecer uma orientação precisa.
Ricardo Netto - Você apresenta um quadro no Programa “A tarde é show”, da apresentadora Nani Venâncio, todas as segundas, lendo cartas para telespectadores. Qual a maior dificuldade para você ao ler cartas com a pessoa à distância? Ou isso não infere?
 
 
Logo da emissora. Imagem da internet.
 
 
 
 
 
 
 
Ao lado da apresentadora do "Atarde é show", Nani Venâncio. (Imagem da internet).
 
 
Virgínia Gaia - Além de taróloga, sou também a astróloga responsável pelo horóscopo semanal do programa. Esse é um bom momento para pontuar a diferença entre a Astrologia e o Tarô. No caso do horóscopo, eu realmente aplico a técnica astrológica para preparar o recado semanal para cada um dos signos. Vejo os posicionamentos dos planetas em relação a cada signo e a situação da Lua. Ainda que superficial – já que nada se compara à interpretação do mapa astrológico, que é único para cada indivíduo –, o horóscopo serve como uma orientação geral para o público que está assistindo ao programa.
Já no caso do Tarô, acho que pela lei da sincronicidade as cartas que sorteamos ali – com o programa ao vivo e em frente às câmeras sempre trarão uma mensagem sobre o que o telespectador está perguntando. Claro que será uma orientação mais simples e superficial. Eu sempre uso na TV uma tiragem com poucas cartas, até porque a leitura tem que ser relativamente rápida. Mas, mesmo com tudo isso, já houve muitos casos de telespectadores que depois procuraram a produção do programa ou nos buscaram nas redes sociais para agradecer pela leitura e contar o desfecho da sua situação. E isso sempre me emociona muito!
É realmente uma grande responsabilidade e, ao mesmo tempo, é muito gratificante ter um espaço em rede nacional para desconstruir mitos a respeito do nosso trabalho como esotéricos. Acho que a Rede Brasil e, em especial, a queridíssima Nani Venâncio têm um papel fundamental para o esoterismo nacional.   
Ricardo Netto - Além de taróloga e astróloga você também é coach de relacionamentos. Fale um pouco sobre isso?
Virgínia Gaia - Depois de pesquisar com rigor acadêmico as diferentes vertentes do Tantra e de estudar profundamente as escolas ocultistas que aplicam Magia Sexual, busquei formação específica em Sexologia. Sou educadora sexual certificada pela ABEME (Associação Brasileira das Empresas do Mercado Erótico e Sensual), o que me dá base técnica para orientar as pessoas a conciliarem melhor o amor, o sexo, o autoconhecimento e a espiritualidade. Do ponto de vista esotérico, assim como para a psicologia e para a medicina, uma boa vivência da sexualidade é condição essencial para qualquer indivíduo. Então, oriento as pessoas para que tenham relacionamentos melhores, com uma vida sexual mais feliz e saudável, conciliando tudo isso com sua busca espiritual ou seus questionamentos existenciais. Precisamos resolver esse grande erro que foi o de separar o corpo do espírito, o que criou uma sociedade altamente reprimida e cheia de culpa. A lei suprema é a lei do amor! 
Ricardo Netto - No que as ciências exotéricas podem ajudar as pessoas em suas relações?
Virgínia Gaia - Ao conciliarmos sexualidade, o psiquismo como um todo e a espiritualidade, conseguimos estabelecer um nível muito mais profundo de autoconhecimento. A partir disso, o indivíduo começa a ter relacionamentos melhores, se sentindo atraído e atraindo pessoas com quem ele terá uma troca infinitamente mais rica. A repressão à sexualidade por meio de religiões, tabus ou dogmas fez com que a humanidade se distanciasse da magia. E é por meio de um melhor direcionamento da energia sexual que qualquer pessoa consegue se realizar em diferentes áreas da sua vida, não somente no que tange seus relacionamentos afetivos. Por isso, no meu trabalho com coaching, ensino técnicas que ajudam o indivíduo a acessar esse poder interno de transformar o mundo à sua volta, a partir de si mesmo.  
Ricardo Netto - Na sua opinião, como conhecedora do assunto, existem casais que são almas gêmeas?
Virgínia Gaia - Creio que sim, mas não exatamente da maneira como a maior parte das pessoas pensa no conceito de almas gêmeas. Acredito que ninguém entra na vida do outro por acaso. Há sempre algo a ser aprendido. Toda relação é uma troca que, em ultima instância, significará mais autoconhecimento para cada um dos envolvidos. Nessa busca, encontramos pessoas que têm um papel especial em nossas vidas. Compreender isso também é um processo mágico por excelência. Isso é alquimia.
Ricardo Netto - O que é Karma?
Virgínia Gaia - A simples lei de ação e reação.
 
 
Arquivo pessoal.
 
 
 
Um pensamento ou uma frase:

Imagem da internet.



"Amor é a lei. Amor sob vontade". (Aleister Crowley).

 
Uma cor: Roxo
Um número: 777
Uma personalidade: Como é difícil escolher uma só, fico com aquele que carrega várias, o escritor, astrólogo e ocultista Fernando Pessoa. 
Um sentimento: ÁGAPE, o amor expandido que se manifesta na forma de extrema compaixão.
Um sentido: Para dentro, sempre! “Quem olha para fora sonha. Quem olha para dentro desperta” – Carl Gustav Jung.
Um elemento da natureza: Difícil escolher um! Fico com os quatro: ar, água, terra e fogo. Um não existe sem o outro. 
O universo é? O todo e o nada. O infinito. O mistério presente dentro de cada indivíduo. O universo somos nós, na figura do Louco, o Arcano número 0 do Tarô. 
 
Sites e redes sociais:
 
 
Tarô cigano (Imagem da internet).
 
 
 
 
Site:
Canal no YouTube:
Instagram:
@virginiagaia
 

Postagem em destaque

Trecho do livro: Os senhores das Sombras - O legado de Lilith.

Capítulo Um   Enzo   Ouvia vozes distantes e desconhecidas, sua consciência não permitia entender o que acontecia à sua volta....